quinta-feira, 28 de outubro de 2010

A recta final da batalha pelo Senado

Durante a semana passada, as sondagens relativas a algumas das mais importantes corridas para o Senado trouxeram um novo ânimo aos democratas. No Kentucky e na Pennsylvania, por exemplo, duas eleições que pareciam já resolvidas a favor dos candidatos republicanos, os números reequilibraram-se, melhorando as perspectivas do Partido Democrata para a noite eleitoral. Contudo, nos últimos dias, novas sondagens vieram contrariar esta tendência, mostrando os republicanos Rand Paul, no Kentucky, e Pat Toomey, na Pennsylvania, novamente a descolarem nas intenções de voto.
Mas houve ainda mais decepções no lado liberal, dado que duas das corridas mais renhidas deste ciclo eleitoral estão, aparentemente, a balançarem-se para o lado republicano. No Nevada, Sharron Angle, a tea-partier que conquistou a nomeação do GOP, tem surgido consistentemente com uma curta, mas estável vantagem sobre o líder da maioria no Senado, Harry Reid. Também no Illinois, onde se disputa o lugar que até Janeiro de 2009 foi ocupado por Barack Obama, a tendência é favorável ao republicano Mark Kirk, que se adiantou, ainda que muito ligeiramente, ao seu opositor democrata, Alexis Giannoulias.
Também há, contudo, algumas boas notícias para o Partido Democrata. No mais populoso estado norte-americano, a California, a actual Senadora Barbara Boxer parece bem encaminhada para a reeleição, já que a diferença para a republicana Carly Fiorina tem vindo a alargar. Um pouco mais a Norte, no estado de Washington, a corrida pode-se definir como too close to call, mas a democrata Pat Murray é ainda a favorita. Na West Virginia os democratas também encontram motivos para sorrir,  já que Joe Manchin melhorou substancialmente a sua situação e parece bem colocado para assegurar a vitória.

Um caso especial tem-se vindo a desenrolar no Alasca, onde Joe Miller, o candidato oficial do Partido Republicano vinha a disputar a eleição com a "auto-candidata" Lisa Murkowski, surgindo o democrata Scott Adams num terceiro lugar algo distante. Contudo, Joe Miller tem-se visto envolvido em algumas polémicas e isso tem-no prejudicado junto do eleitorado. Assim, com o candidato republicano em queda livre e Murkowski à mercê da singularidade de uma candidatura write-in, é impossível dizer o poderá trazer a noite eleitoral do Alasca.
Para o fim, fica aquela que é, nesta altura, a corrida mais equilibrada de todas e cujo desfecho é totalmente imprevisível: a do Colorado. Aqui, o Senador Michael Bennet (D) encetou uma notável recuperação, tendo conseguido encostar ao candidato do GOP, Ken Buck. Esta promete ser uma eleição disputada até ao último voto e que pode nem ficar resolvida na noite das eleições, tal é o equilíbrio que se espera. Pode ser que, até à véspera das eleições, quando conto fazer as minhas projecções finais, o estado da corrida no Colorado se clarifique a favor de um dos lados da disputa.

Sem comentários:

Publicar um comentário