quarta-feira, 3 de abril de 2013

Team of Rivals

Acabei ontem de ler esta obra-prima da historiadora e vencedora do Pullitzer Doris Kearns Goodwin. Team of Rivals é uma excepcional descrição da vida de Abraham Lincoln, o histórico Presidente dos Estados Unidos que levou a União à vitória na Guerra Civil Americana e libertou os escravos.
Contudo, esta obra é mais do que uma biografia de Lincoln, seguindo não apenas os seus passos, mas também os de  William Seward, Salmon Chase e Edward Bates, os seus maiores rivais pela nomeação presidencial republicana e, uma vez na Casa Branca, os mais proeminentes membros da Administração Lincoln. De facto, Lincoln teve a grandeza de espírito para se rodear dos seus maiores adversários, ciente que apenas com os conselhos dos mais capazes e competentes políticos do seu tempo poderia fazer frente ao mais conturbado momento da história norte-americana. Além de Seward, que se tornaria Secretário de Estado e o homem de maior confiança de Lincoln, Bates e Chase, também Edwin Stanton (que tinha tratado o jovem advogado Abraham Lincoln de forma menos digna anos antes) seria chamado a servir como Secretário da Guerra, tornando-se um dos maiores admiradores do 16º Presidente dos Estados Unidos.
E foi com esta equipa de rivais que Abraham Lincoln, utilizando uma perspicácia política sem igual até aos dias de hoje aliada a uma verticalidade moral inatacável, foi capaz de derrotar a rebelião sulista e proclamar a libertação de milhões de escravos no país. Ao mesmo tempo que levou a cabo esta tarefa hercúlea, Lincoln foi admirado e mesmo amado pela esmagadora maioria dos seus compatriotas. Quando morreu, assassinado pouco depois de assegurada a vitória na guerra, Abraham Lincoln foi chorado tanto pelos seus partidários do Norte, que lamentaram a perda do seu líder, como pelos seus adversários do Sul, cientes de que o magnânime Presidente era a sua melhor hipótese para uma Reconstrução bem sucedida.
Ao lermos este fantástico "Team of Rivals" somos como que transportados para meados do século XIX e para a companhia de grandes figuras cujas acções mudaram os Estados Unidos e o mundo. Não percam, por isso, a oportunidade de ler este livro e de aprenderem um pouco as lições que Lincoln ainda nos pode ensinar. Afinal, como disse Stanton, no leito da morte do seu Presidente, Abraham Lincon "belongs to the ages".

Sem comentários:

Publicar um comentário